Manifesto da Frente Nacional Antirracista

A FRENTE NACIONAL ANTIRRACISTA, composta por centenas de organizações do movimento negro, nasce com o intuito de promover a ampla participação da comunidade negra no debate político e econômico brasileiro.

Entendemos que um dos pilares do racismo estrutural e institucional é a economia. Com raríssimas exceções, o pensamento econômico brasileiro ignorou por décadas a relevância do debate racial. Este desprezo se reflete na dificuldade de formulação de políticas de Estado que enfrentem de modo eficaz a desigualdade e nos tirem da lógica da dependência econômica.

Considerar o peso do racismo na economia não é apenas um compromisso com a justiça social, mas com a verdade, com a ciência. Nossa posição é que discussões sobre desigualdade, tributação, politica industrial, meio-ambiente, política salarial, política agrária e urbana, empreendedorismo e tecnologia só ganham sentido quando se considera que o Brasil é composto por uma maioria de pessoas negras, que são historicamente desrespeitadas, ganham os piores salários e são vitimadas pela violência urbana e rural.

Não é possível conceber desenvolvimento econômico em um ambiente de profunda discriminação racial. Não é possível que sejamos mortos enquanto consumimos e produzimos a riqueza deste país.

Entendemos nós da FRENTE NACIONAL ANTIRRACISTA que políticas econômicas que destroem direitos sociais como proteção ao trabalho, saúde, educação, previdência, assistência social e cultura são manifestações do racismo e fragilizam ainda mais a democracia.

E com desigualdade não existe democracia.

Por isso, a FRENTE NACIONAL ANTIRRACISTA reivindica:

– A participação na formulação intelectual e prática das políticas econômicas.

– Atenção nas discussões sobre as demandas econômicas das populações negras, sejam do campo, sejam das cidades.

 – O fortalecimento dos direitos sociais e um compromisso firme contra a precarização do trabalho.

 – Que negros e negras tenham sua dignidade e segurança respeitadas

 – Que a experiência, inteligência e capacidade de liderança de negros e negras integrem o desenho institucional que abrigará os projetos de transformação da sociedade brasileira.

A FRENTE NACIONAL ANTIRRACISTA, portanto, atuará politicamente em seis eixos fundamentais:

1. Racismo e desenvolvimento econômico

2. Racismo, desigualdade e democracia

3. Racismo e a questão agrária

4. Empreendedorismo negro

5. Relação entre empresas e comunidade negra

6. Políticas de fomento à cultura para a população negra

Iremos atuar junto a entidades nacionais e internacionais, sempre com a participação das organizações sociais, comunidades tradicionais, ativistas e intelectuais que compõem à FRENTE NACIONAL ANTIRRACISTA.

Sem a população negra, não há desenvolvimento econômico.

NOSSO LOGO          

“Sem a população negra, não haverá desenvolvimento”

Carta da Frente Nacional Antirracista

A Frente Nacional Antirracista (FNA), que reúne mais de 500 organizações de diferentes e diversos movimentos sociais, surge para propor ações de enfrentamento e combate ao racismo estrutural e institucional. Entendemos que um dos pontos centrais deste objetivo é promover a ampla participação da população negra no debate econômico brasileiro. Para isso, pretendemos iniciar interlocução com o setor público, entidades empresariais e sindicais e universidades a fim de construir um repertório de alternativas que favoreçam a inclusão racial e social, o enfrentamento da desigualdade e o desenvolvimento econômico do país. 

Dessa maneira, inicialmente, intentamos estabelecer um diálogo com 100 (cem) das maiores empresas brasileiras a fim de apresentar ações que entendemos capazes de interferir de maneira decisiva no processo de inclusão racial de que o país necessita.

Para tanto, organizamos uma agenda antirracista e convidamos às empresas e demais instituições da sociedade civil para, de forma ampla, construir propostas eficazes para a promoção da igualdade racial como condição do desenvolvimento econômico e da democracia.

Assim, aguardamos o retorno desse contato no prazo de 20 (vinte) dias sobre o interesse de construção de uma agenda de ações iniciais, compreendendo que o cenário brasileiro se mantém preso a uma lógica de violência racista e desrespeito sistemático aos direitos humanos, situação incompatível com o desenvolvimento econômico.

É preciso construir outro tempo, em que toda a sociedade se levante contra o racismo e todas as outras formas de discriminação.

Por isso, afirmamos que SEM OS NEGROS, NÃO HAVERÁ DESENVOLVIMENTO SOCIAL OU ECONÔMICO.

Esta Frente se coloca à disposição para iniciar o diálogo e sanar quaisquer dúvidas existentes.